Arquivo da tag: Agencia Estado

População de São Paulo prioriza reciclagem e coleta seletiva

http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/meioambiente/populacao-de-sao-paulo-prioriza-reciclagem-e-coleta-seletiva/n1597269116311.html  

A limpeza de rios ficou em segundo lugar na pesquisa feita pela internet sobre prioridades para o ano que vem

AE 12/10/2011 11:37

O paulistano aponta entre as principais prioridades da cidade a implementação de um sistema de coleta seletiva e de reciclagem de lixo que alcance toda a cidade e a valorização das carreiras de profissionais da educação e de policiais e guardas. É o que mostra a consulta pública Você no Parlamento, divulgada ontem pela Rede Nossa São Paulo e pela Câmara, com apoio da Rádio Estadão ESPN.

A pesquisa pela internet e por formulários ouviu 33.340 pessoas sobre as prioridades para o ano que vem em 19 áreas. A ideia é que os resultados sirvam de parâmetro para a Câmara criar projetos de lei, discutir o orçamento e fiscalizar ações do Executivo.

Entre os resultados que mais chamaram a atenção estão os da área de meio ambiente e consumo. Nesse tema, a coleta seletiva e a reciclagem em toda a cidade foi a principal prioridade, com 75,30% dos votos. O assunto tem espaço no Plano de Metas, mas as propostas da Prefeitura ainda não saíram do papel. De mil postos de coleta voluntária prometidos para até o fim da atual gestão, nenhum foi criado até o início deste mês.

No quesito meio ambiente, o participante tinha de votar em quatro de nove opções oferecidas. A limpeza de rios veio em segundo lugar, com 54,73%. Bem à frente da poluição do ar, que, apesar de ser um problema vivido diariamente pelos moradores, ficou como sexta prioridade, com 33,40%.

Sem plano
Atualmente a Prefeitura coleta apenas 230 toneladas de lixo reciclável por dia, o que representa 9,5% da quantidade de lixo passível de ser recolhida, segundo dados do Limpurb – o órgão gerenciador dos serviços de limpeza urbana. Segundo a Secretaria de Serviços, cinco centrais de triagem em implementação vão aumentar essa capacidade.

De acordo com o coordenador executivo da Rede Nossa São Paulo, Maurício Broinizi, ONGs, catadores e empresas com consciência ambiental são responsáveis por parte da coleta realizada na capital – ainda pequena. “As pessoas já perceberam a importância dessa reciclagem para o meio ambiente e notam que a Prefeitura não tem uma política efetiva.”

Nas áreas de educação e segurança, as prioridades foram no sentido de pedir a valorização dos profissionais dessas áreas. Um guarda civil tem um salário inicial de cerca de R$ 1.500, mais gratificações. O professor com jornada de 40 horas semanais recebe R$ 2.292,17, se estiver enquadrado no piso salarial. Em 2005, eram R$ 1.215. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

______________________________________________________________________

Até breve!

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Poluição em casas e escritórios de SP é até 392% pior que a aceitável pela OMS

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20110801/not_imp752546,0.php 

Medição do ”Estado” em dez pontos da capital detectou alta presença de partículas inaláveis em consultórios, empresas e apartamentos

01 de agosto de 2011 | 0h 00
Márcio Pinho – O Estado de S.Paulo

Engana-se o paulistano que pensa que, ao entrar em casa, no escritório ou em um consultório se livra da poluição: paredes e janelas não conseguem deixar o ar saudável. Com um aparelho do Laboratório de Poluição Atmosférica da Universidade de São Paulo (USP), o “Estado” visitou ambientes internos de dez pontos da capital e constatou a presença de partículas inaláveis em índices até 392% superiores ao recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Poeira fina formada em até 80% pela queima de combustíveis, esse material particulado é um dos principais poluentes da cidade, onde a frota de veículos já supera os 7 milhões. As partículas ficam em suspensão no ar – especialmente em dias secos e frios – e circulam normalmente em ambientes internos, o que colabora para a sensação de que um piso que acabou de ser limpo, por exemplo, fique imediatamente sujo. Além disso, penetram pelo nariz e chegam ao pulmão e ao sangue, aumentando o risco de doenças.

O pior resultado encontrado foi na Avenida República do Líbano, em Moema, na zona sul – bem ao lado do Parque do Ibirapuera, mas perto de vias com grande circulação de veículos. Em um consultório médico, o medidor apontou 123 microgramas de partículas por metro cúbico, quase quatro vezes mais do que as 25 consideradas ideais pela OMS para medição de 24 horas – ou 392% acima do ideal. No local, apenas uma janela entreaberta facilitava a entrada de poluentes do exterior, onde a medição mostrou ar pior – 162 microgramas (veja abaixo).

Em outros ambientes fechados, contudo, o mau desempenho se repetiu. Foi o caso de um prédio de escritórios na Rua Flórida, no Brooklin, zona sul, perto da Marginal do Pinheiros e da Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini. Nem mesmo o filtro de ar-condicionado que havia sido limpo recentemente, segundo funcionários, conseguiu conter a poluição. Na medição feita às 18 horas, no 9º andar, o ar tinha 77 microgramas de partículas – 208% acima do ideal. Do lado de fora, eram 166.

O problema se repetiu em apartamentos residenciais. Em um deles, nos Jardins, também na zona sul, a vista do 18.º andar permite à oftalmologista Ruth Vita observar uma nuvem escura sobre a cidade em manhãs de inverno. A medição descobriu por que sua residência também é bastante poluída – um imenso carpete adorna a sala. “Mando passar aspirador duas, três vezes por semana. É impressionante como suja rápido”, afirma a médica, que vê o número de pacientes com olhos vermelhos crescer nesta época do ano.

Apenas a medição interna feita às 13h45 na Radial Leste, zona leste, teve resultados adequados ao padrão da OMS. Nesse horário, a poluição tende a ser menor em razão do trânsito mais leve e da maior umidade em relação ao resto da tarde.

Duas medições internas, porém, tiveram resultados piores do que o das vias. Caso de um escritório da própria Faculdade de Medicina da USP, mais poluído do que o ar na Avenida Doutor Arnaldo, na zona oeste.

Para o professor Paulo Saldiva, coordenador do Laboratório de Poluição Atmosférica da USP, os índices achados pelo Estado são absurdos para uma cidade como São Paulo. “Avenidas de Nova York e Boston não são tão poluídas quanto ambientes internos aqui”, afirma.

Ele explica que são vários os riscos para a saúde. “Tudo o que o cigarro faz, essa poluição vai fazendo lentamente.” Dependendo da predisposição pessoal, pode favorecer aparecimento de asma, pneumonia e infarto do miocárdio – já que partículas atuam na corrente sanguínea.

PARA ENTENDER

O material particulado – ou poeira fina – entra no sistema respiratório sem que a pessoa perceba. Cientificamente, é conhecido como MP 2,5 (grandeza microscópica de partículas desse diâmetro ou menor). MP 10 é a medida usada pela Companhia de Saneamento Ambiental de São Paulo (Cetesb), que hoje considera normal 150 microgramas dessas partículas por m³ – o triplo do recomendado pela OMS. Mas isso deve ser revisto. A Cetesb, dará início a projeto que, nos três primeiros anos, terá como meta baixar seu parâmetro aceitável de material particulado a 120 microgramas.

PRESTE ATENÇÃO…

Dicas para respirar melhor

1. Ar-condicionado. Se a manutenção nos filtros for adequada, o uso do aparelho pode ser positivo, por permitir que janelas sejam fechadas.

2. Umidificador de ar.Partículas de poluição se prendem à água e tendem a cair. Limpe o umidificador e o que estiver perto dele, para evitar proliferação de bactérias que se desenvolvem em espaço úmido.

3. Vegetação. Árvores e mesmo plantas colocadas na varanda ou na janela oferecem obstáculo físico à entrada dos poluentes.

4. Limpeza constante. Limpe móveis e chão, de preferência com pano úmido, para que a sujeira não se deposite e volte a ficar em suspensão quando houver vento ou atrito de algo com o chão.

___________________________________________________________________________________

Até breve!

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Cubatão terá Jardim Botânico após remoção de famílias da Serra

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,cubatao-tera-jardim-botanico-apos-remocao-de-familias-da-serra,751171,0.htm

28 de julho de 2011 | 9h 35

O Estado de S. Paulo

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente divulgou ontem o projeto do Jardim Botânico de Cubatão (JBC). Parte do programa de recuperação da Serra do Mar, o Jardim Botânico será construído no bairro da Água Fria após a remoção das famílias que ali vivem.

“O objetivo é a conservação, a educação ambiental e a proteção da Mata Atlântica. Haverá um viveiro metropolitano para todas as cidades da Baixada Santista pegar em mudas e fazerem replantios”, explicou o secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, que apresentou o projeto ao Centro das Indústrias do Estado de São Paulo(Ciesp Regional Cubatão).

Instituído por um decreto estadual em outubro do ano passado, o JBC ficará em uma área de 364 hectares, sendo que 4,6 mil metros quadrados são de área construída. Entre as construções estão um centro de educação ambiental, um auditório e um prédio administrativo para receber pesquisadores.

O orçamento para a criação do JBC integra os investimentos do Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar.O custo da obra é estimado em US$ 16,5 milhões, sendo US$ 11 milhões de financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento(BID) e US$ 5,8 milhões do governo do Estado.

O início das obras depende da retirada das famílias que moram na Água Fria.Segundo o Superintendente de Obras da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), Humberto Schmidt,no início do programa havia 1.456 famílias no bairro. “Já saíram cerca de cem famílias.”Ele diz que a maior parte das remoções será feita em 2012. / AFRA BALAZINA, ANDREA VIALLI e REJANE LIMA

_______________________________________________________________________

Se realmente tudo acontecer como prometem será maravilhoso!

Por hoje é só!

Até.

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Pesquisa em Santos vai estudar se limpeza das praias mata biota marinha

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,pesquisa-em-santos-vai-estudar-se-limpeza-das-praias-mata-biota-marinha,590321,0.htm

A ideia é testar a hipótese de que o equipamento usado estaria contribuindo com o desaparecimento da vida

04 de agosto de 2010 | 15h 05
Rejane Lima, da Agência Estado

A Prefeitura de Santos pretende suspender o uso de rastelos (instrumentos com uma grade com dentes) que, presos a um pequeno trator, realizam a limpeza da areia em um trecho da praia. A ideia é testar a hipótese de que o equipamento estaria contribuindo com o desaparecimento da biota marinha (organismos como conchas, moluscos e pequenos crustáceos) cuja presença é cada vez mais rara a beira mar.

“Ainda não há uma pesquisa científica que comprove o desaparecimento dessa biota marinha, mas essa é uma impressão da comunidade”, afirmou o Secretário Municipal do Meio Ambiente, Fábio Alexandre Nunes, que acredita na possibilidade de os rastelos, utilizados desde 1996, terem retirado ao longo dos últimos anos parte da fauna marinha junto com o lixo.

Professor de biologia, Fábio pretende aproximar a comunidade científica do problema e através de parcerias com universidades testar a hipótese em um trecho da praia. “Poderíamos substituir o uso do rastelo pela limpeza manual em um trecho entre dois canais, por exemplo (entre 650 e 1050 metros) em um período de seis meses a um ano para testar se essa fauna retornaria”, afirma o secretário, explicando que o período é suficiente para tal comprovação, levando em conta o ciclo de vida dessas espécies.

O secretário explica que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente estuda há quatro meses possibilidades de aprimorar o plano de manejo das praias, que após a intervenção do homem e das construções dos canais, há cem anos, requer um trabalho específico de limpeza e gestão do assoreamento.

“Nosso objetivo de ampliar o conceito de balneabilidade de todo o contexto da praia, analisando a possibilidade de recuperação desse ambiente marinho, para atrair mais peixes, aves, toda a fauna”, disse o professor, completando que, como a praia é democrática, a intenção é realizar audiências públicas para que toda a sociedade possa “dar pitacos” nessa transformação.
__________________________________________________________
Continuem acessando e divulgando esse espaço.
Até breve!

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Incêndio em área protegida sobe 124%

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100718/not_imp582779,0.php

De janeiro até julho foram registrados 4.045 focos de queimadas em locais como parques e reservas contra 1.803 no ano passado; Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins perdeu extensão equivalente a São Bernardo do Campo

18 de julho de 2010 | 0h 00
Afra Balazina – O Estado de S.Paulo

A Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins perdeu cerca de 400 quilômetros quadrados em queimadas neste ano – área equivalente à cidade de São Bernardo do Campo, em São Paulo. É a região que mais sofreu com o fogo entre todas as Unidades de Conservação (UCs) do País, contando as federais e estaduais.

Os incêndios em áreas ambientalmente protegidas, como parques e reservas, têm preocupado autoridades, cientistas e ONGs. Foram 4.045 focos desde janeiro – um aumento de 124,3% em relação ao mesmo período de 2009. Os terrenos próximos dos limites das unidades, chamados de áreas de amortecimento, também são monitorados, pois o fogo pode começar fora do parque e se alastrar dentro dele.

No quadro geral do Brasil, o aumento de focos foi de 28% (de 9.279 em 2009 para 11.918 em 2010). Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A queima quase sempre é provocada pelo homem – principalmente em razão de atividades agropecuárias.

No caso das UCs, a situação em Tocantins é a que mais preocupa, segundo Paulo Carneiro, coordenador-geral de Proteção Ambiental do Instituto Chico Mendes (ICMBio, órgão do Ministério do Meio Ambiente).

Entre as cinco áreas protegidas que mais tiveram focos de queimadas em 2010, quatro estão no Estado – além de Serra Geral, com 429 focos, aparecem o Parque Nacional do Araguaia (361), a Área de Proteção Ambiental do Jalapão (205) e a Área de Proteção Ambiental Ilha do Bananal/Cantão (185). O coordenador diz que o Araguaia, por exemplo, teve queimados cerca de 150 quilômetros quadrados – área semelhante à de Cubatão.

“Já imaginávamos que as queimadas aumentariam porque o ano passado foi atípico, teve mais umidade. Mas estamos receosos com a situação atual”, diz Carneiro. Por isso foi criada pela primeira vez uma base aérea em Mateiros (TO) para atender as unidades da região. Um avião faz o monitoramento e outro, apelidado de pipa, joga água para apagar os incêndios.

Segundo ele, das 310 UCs federais, 96 possuem equipes de brigadistas contratadas temporariamente para o período da seca. “Cada uma delas recebe no mínimo 7 e no máximo 42 brigadistas. Serra Geral, por exemplo, tem 35”, explica.

A analista ambiental Luciana Pacca, que trabalha na Estação Ecológica mais afetada pelas queimadas, conta que na semana passada foi resgatado um gato-mourisco de um incêndio – os irmãos morreram. Na região também é possível ver onças, antas, lobos e patos-mergulhões, entre outras espécies.

Luciana e a colega Lara Côrtes, também analista ambiental, dizem que é comum pessoas que extraem o capim-dourado (usado em artesanato) colocarem fogo na área – elas acreditam que, assim, ele nasce mais forte.

Uma das dificuldades para conter o fogo é a logística. “A estação ecológica é muito grande. Tudo é longe e as estradas são de terra”, diz ela. Há quatro analistas na unidade, mas uma está de férias e outra, de licença. “É pouca gente. Ainda bem que temos tido bastante apoio de Brasília.”

Para Ricardo Abad, coordenador de geotecnologias do Instituto Centro de Vida (ICV), “não há justificativa para haver queimada em Unidade de Conservação. Algo está errado.” O ICV, que atua em Mato Grosso, publicou recentemente um estudo sobre as queimadas no Estado.

Abad diz ainda que a situação em terras indígenas muitas vezes é ainda mais complicada, pois elas não recebem tanta atenção dos órgãos ambientais. Foram 3.563 focos de queimadas neste ano, contra 968 do ano anterior. “Os índios utilizam fogo para caça, para rituais, faz parte da tradição”, diz Abad. Segundo o Ibama, desde março deste ano a Funai realiza o monitoramento de focos de calor em terras indígenas com base nas informações do Inpe.

Total
No quadro geral, que não inclui somente as Unidades de Conservação, o Estado líder é Mato Grosso, com 2.681 focos. Na sequência, aparecem Tocantins (1.418) e Bahia (1.205).

Alberto Setzer, pesquisador do Inpe, ressalta que “ainda estamos no início da temporada de queimadas” – o período crítico é de julho a outubro. Por isso, é difícil fazer uma avaliação. “O que detectamos do início do ano até agora corresponde a algo entre 5% e 10% de tudo que ainda será queimado. De qualquer forma, o início de 2010 está sendo preocupante.”

Para Setzer, “alguns Estados estão particularmente ativos no uso do fogo”, entre eles Tocantins (385% a mais), Distrito Federal (414%) e Piauí (184%).

Glossário

Unidade de Conservação
É um território com proteção garantida por lei. Pode ser de proteção integral (como um parque, que não pode ser habitado) ou de uso sustentável, que admite a presença de moradores, como as reservas extrativistas.

Parque
Tem como objetivo preservar ecossistemas naturais de grande relevância ecológica e beleza. Permite a realização de pesquisas, atividades de educação e turismo. É de posse e domínio públicos.

Estação Ecológica
Tem como objetivo a preservação da natureza e a realização de pesquisas. É proibida a visitação pública, exceto aquela com objetivo educacional. É de posse e domínio públicos.

Área de Proteção Ambiental (APA)
Em geral é uma área extensa, com certo grau de ocupação humana. Tem o objetivo de proteger a biodiversidade, disciplinar a ocupação e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais. É constituída por terras públicas ou privadas.
_______________________________________________________
Continuem acessando e divulgando esse espaço.
Até breve!

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Metade do lixo tem destino inadequado

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100709/not_imp578721,0.php

Das 170 mil toneladas produzidas no País diariamente, 40% vão para lixões ou aterros com problemas e 12% não são coletadas. Cidades terão de se adequar, pois recém-aprovada Política Nacional de Resíduos Sólidos proíbe o descarte a céu aberto

Rafael Moraes Moura /BRASÍLIA – O Estado de S.Paulo

Com a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, a maioria dos municípios terá de mudar maus hábitos ao lidar com o lixo. Das 170 mil toneladas de lixo produzidas diariamente no País, 40% vão para lixões ou aterros com problemas (como não isolamento do material), 12% não são coletadas e 48% acabam em aterros sanitários.

Estudo da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) e da Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos (Abetre) mostra ainda que cerca de 70% dos municípios – 3.895 de 5.565 – dão destinação inadequada a resíduos sólidos.

O caso de Brasília é exemplar, no sentido negativo. A capital federal despeja aquilo que não reaproveita em um lixão na periferia – esse tipo de destinação é banido pela lei, que depende da sanção do presidente Lula para entrar em vigor. Brasília tem planos de construir um aterro sanitário, mas o processo de licitação acabou suspenso pelo Tribunal de Contas do DF.

Na prática, os lixões funcionam como uma bomba-relógio. Muitos estão em áreas clandestinas, nas periferias. Catadores ou famílias que vivem no local estão sujeitos a riscos. “O lixão é proibido desde 1981, quando foi criada a Política Nacional de Meio Ambiente. Ali já se previa que despejar resíduo de qualquer material era crime ambiental”, afirma o diretor-presidente da Abetre, Diógenes Del Bel.

A nova lei proíbe tanto o lançamento de resíduos sólidos ou rejeitos a céu aberto quanto a fixação de habitações nas áreas de disposição final do lixo. De 1981 pra cá, observa Del Bel, cresceu a preocupação ambiental nos diversos setores da sociedade e do governo, o que contribui para a mudança de cenário.

Para ele, o Brasil está 20 anos atrasado, quando comparado à Europa – o mesmo período necessário para a elaboração e aprovação da nova legislação. Mesmo assim, ele crê que a destinação do lixo no País deve passar por grandes transformações. “O projeto não foi enfiado goela abaixo, e sim construído com esforço de todos os atores, um alinhamento de visão e interesse do poder público, da sociedade e do setor empresarial.”

O número de aterros sanitários deve aumentar, apesar dos elevados gastos operacionais. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), os custos de um aterro sanitário variam de R$ 52,4 milhões para os de pequeno porte (capacidade de 100 toneladas de resíduos por dia) a R$ 525,8 milhões para os de grande porte (2 mil toneladas).

Os impactos da aprovação da lei começam a ser sentidos, avalia Silvano Silvério, secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente. Um exemplo: algumas empresas já adotam a estratégia de “logística reversa”, pela qual produtos usados retornam para o fabricante para destinação ambiental adequada. “Os fabricantes vão ver que um concorrente já começou a implantar e vão fazer o mesmo”, diz. O texto determina que União, Estados e municípios façam planos integrados. Associações de catadores poderão ser beneficiadas com linhas de financiamento público.
__________________________________________________________
Comentem, questionem e divulguem!
Até a próxima.

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Brasil é emergente que mais produz lixo eletrônico, diz ONU

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010, 10:02
AE – Agencia Estado
http://www.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-e-emergente-que-mais-produz-lixo-eletronico-diz-onu,514908,0.htm

SÃO PAULO – O Brasil é o mercado emergente que produz o maior volume de lixo eletrônico por pessoa a cada ano. O alerta é da Organização das Nações Unidas (ONU), que ontem lançou seu primeiro relatório sobre o tema. O estudo advertiu que o Brasil não tem estratégia para lidar com o fenômeno e que o tema sequer é prioridade para a indústria. O País é também a nação emergente que mais toneladas de geladeiras abandona a cada ano por pessoa e um dos líderes em descarte de celulares, TVs e impressoras.

O estudo foi realizado pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma) após a constatação de que o crescimento econômico dos países emergentes levou a um maior consumo doméstico, com uma classe média cada vez mais forte e estabilidade econômica para garantir empréstimos para a compra de eletroeletrônicos. Mas, junto com isso, veio a produção sem precedentes de lixo.

A estimativa é de que, no mundo, 40 milhões de toneladas de lixo eletrônico são produzidas por ano. Grande parte certamente ocorre nos países ricos. Só a Europa seria responsável por um quarto desse lixo. Mas a ONU alerta agora para a explosão do fenômeno nos emergentes e a falta de capacidade para lidar com esse material, muitas vezes perigoso.

Por ano, o Brasil abandona 96,8 mil toneladas de computadores. O volume só é inferior ao da China, com 300 mil toneladas. Mas, per capita, o Brasil é o líder. Por ano, cada brasileiro joga fora o equivalente a 0,5 quilo desse lixo eletrônico. Na China, com uma população bem maior, a taxa per capita é de 0,23 quilo, contra 0,1 quilo na Índia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

1 comentário

Arquivado em notícia