Arquivo da tag: equipamento

Pesquisa em Santos vai estudar se limpeza das praias mata biota marinha

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,pesquisa-em-santos-vai-estudar-se-limpeza-das-praias-mata-biota-marinha,590321,0.htm

A ideia é testar a hipótese de que o equipamento usado estaria contribuindo com o desaparecimento da vida

04 de agosto de 2010 | 15h 05
Rejane Lima, da Agência Estado

A Prefeitura de Santos pretende suspender o uso de rastelos (instrumentos com uma grade com dentes) que, presos a um pequeno trator, realizam a limpeza da areia em um trecho da praia. A ideia é testar a hipótese de que o equipamento estaria contribuindo com o desaparecimento da biota marinha (organismos como conchas, moluscos e pequenos crustáceos) cuja presença é cada vez mais rara a beira mar.

“Ainda não há uma pesquisa científica que comprove o desaparecimento dessa biota marinha, mas essa é uma impressão da comunidade”, afirmou o Secretário Municipal do Meio Ambiente, Fábio Alexandre Nunes, que acredita na possibilidade de os rastelos, utilizados desde 1996, terem retirado ao longo dos últimos anos parte da fauna marinha junto com o lixo.

Professor de biologia, Fábio pretende aproximar a comunidade científica do problema e através de parcerias com universidades testar a hipótese em um trecho da praia. “Poderíamos substituir o uso do rastelo pela limpeza manual em um trecho entre dois canais, por exemplo (entre 650 e 1050 metros) em um período de seis meses a um ano para testar se essa fauna retornaria”, afirma o secretário, explicando que o período é suficiente para tal comprovação, levando em conta o ciclo de vida dessas espécies.

O secretário explica que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente estuda há quatro meses possibilidades de aprimorar o plano de manejo das praias, que após a intervenção do homem e das construções dos canais, há cem anos, requer um trabalho específico de limpeza e gestão do assoreamento.

“Nosso objetivo de ampliar o conceito de balneabilidade de todo o contexto da praia, analisando a possibilidade de recuperação desse ambiente marinho, para atrair mais peixes, aves, toda a fauna”, disse o professor, completando que, como a praia é democrática, a intenção é realizar audiências públicas para que toda a sociedade possa “dar pitacos” nessa transformação.
__________________________________________________________
Continuem acessando e divulgando esse espaço.
Até breve!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Nova arma para combater a poluição

Meio Ambiente
Pesquisadores desenvolveram, em Cubatão, equipamento para detectar a presença de substâncias que tornam o ar impróprio para a saúde.
Gisela Cabral
giselacabral.df@dabr.com.br
http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/03/18/brasil4_0.asp

Brasília – A luta contra a poluição atmosférica, fundamental em tempos de combate ao aquecimento global, ganhou mais um aliado. Projeto desenvolvido em Cubatão (SP), cidade conhecida por abrigar uma grande quantidade de indústrias, deu origem a um equipamento portátil capaz de detectar a presença de substâncias que tornam o ar impróprio à saúde. Desenvolvido pelo Centro de Capacitação e Pesquisa em Meio Ambiente (Cepema), vinculado à Universidade de São Paulo (USP), o aparelho, que está em fase de testes, pode se tornar uma maneira eficaz e barata para que as indústrias identifiquem imediatamente a poluição que causam e possam, assim, corrigir o problema de forma mais rápida.

Construída dentro do projeto Lidar, sigla para Light Detection and Ranging, a máquina emite pulsos de laser na direção vertical, que sobem e retornam dependendo dos obstáculos que encontram pelo caminho. É o comportamento do feixe de luz que indica se há ou não substâncias poluentes na área. Apartir dos primeiros testes, os cientistas conseguiram obter dados como a altura da camada de poluição e a entrada de brisas marinhas na área de testes. Mas os pesquisadores pretendem ir além. A intenção, no futuro, é identificar e medir a quantidade de diferentes compostos – como monóxido de carbono (CO), dióxido de enxofre (SO2) e hidrocarbonetos – presentes no ar.

De acordo com a pesquisadora do Cepema Juliana Steffens, o equipamento consegue monitorar emissões a até 120km de distância, sem necessidade de coleta de amostras. “São feixes emitidos em poucos segundos. É tudo tão rápido que a sensação visual é de uma luz constante. A luz tem um comprimento de ondas de 532 nanômetros (um nanômetro equivale à bilionésima parte de um metro) e é visível apenas à noite”, destaca. Ela explica que as nuvens podem bloquear a passagem do laser, dificultando as análises. Por isso, as medições são feitas quando o céu está aberto. A pesquisadora explica ainda que, depois de interagir com as partículas e moléculas poluidoras na atmosfera, a luz retorna para o aparelho. Esse sinal de volta é captado por um telescópio e processado com o auxílio de equações matemáticas. Os dados são digitalizados e transformados em um relatório objetivo da composição do ar na área.
__________________________________________________________
Mais um belo trabalho desta instituição cada vez mais respeitada na Baixada Santista. É a tecnologia a serviço do meio ambiente e qualidade de vida.

Continuem acessando, comentando e divulgando esse espaço.
Até breve.

Deixe um comentário

Arquivado em notícia