Arquivo da tag: florestas

Ocupação da Amazônia já eliminou 2,6 bilhões de árvores, diz IBGE

http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,ibge-amazonia-perdeu-2-6-bi-de-arvores-desde-o-inicio-do-seu-processo-de-ocupacao,726390,0.htm?x

Segundo estudo, até o ano de 2002, quase metade dessa perda ocorreu no Estado do Pará

01 de junho de 2011 | 10h 01

Felipe Werneck – O Estado de S. Paulo

RIO – Desde o início do processo de ocupação da Amazônia por povos não indígenas, pelo menos 2,6 bilhões de árvores foram eliminadas, estima o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no estudo Geoestatísticas de Recursos Naturais da Amazônia Legal, divulgado nesta quarta-feira, 1. Quase metade dessa perda (1,2 bilhão de árvores) ocorreu no Estado do Pará. A área desmatada representa 15,3% da vegetação original do bioma.

Estima-se que em 2002, ano de referência do estudo, havia aproximadamente 45 bilhões de toneladas de carbono na vegetação remanescente da região (87,3% do estoque original). A pesquisadora Rosângela Garrido destaca que os maiores estoques de carbono no solo estão em áreas de manguezal e campinarana, ameaçadas por mudanças de regras de preservação previstas no Código Florestal aprovado na Câmara.

De acordo com o levantamento, na Amazônia Legal, a concentração de áreas com estas especificações de carbono no solo a um metro da superfície se localizam mais em manguezais e em regiões de campinaranas, vegetação típica da Amazônia legal. “Isso foi uma surpresa, porque achávamos que a concentração de solos deste tipo ficariam mais sob uma densa vegetação, o que não foi o caso”, acrescentou a técnica. Na região da Amazônia Legal, a média é de 95 toneladas de carbono por hectare, mas há localidades que possuem registros de 250 toneladas por hectare, de acordo com a especialista do IBGE.

Segundo Rosangela, as áreas de concentração de carbono no solo no País são no norte da Amazônia; centro sul de Roraima, e nos litorais do Pará e do Maranhão. A técnica explica que o dado é importante, tendo em vista que a preocupação com o desmatamento de áreas deste tipo que conduz à liberação, na atmosfera, do carbono sob o solo. “É fundamental termos conhecimento de quais áreas estão sob esta classificação, ainda mais neste momento em que todos estão preocupados em reduzir a emissão de CO2 na atmosfera”, avaliou.

Rosangela comentou ainda que a presença de carbono no solo a um metro da superfície é vantajoso para a agricultura brasileira, pois a presença de material orgânico no solo estimula o cultivo de culturas agrícolas. Além disso, a presença de carbono também ajuda a diminuir a erosão dos solos, de acordo com a pesquisadora.

As perdas de árvores estão concentradas no Leste (Pará, Maranhão e Tocantins) e no sul (Mato Grosso e Rondônia) da chamada Amazônia Legal. A pecuária aparece na publicação do IBGE como principal responsável pela alteração da cobertura original da terra, representando 51,7% da área desmatada. A vegetação secundária (que surge naturalmente após o abandono de áreas usadas pelo homem) correspondia a 32,1%, e a agricultura, a 15,2%.

A floresta amazônica é dividida em quatro tipos de formação: Florestas Ombrófilas Densa e Aberta, e Florestas Estacionais Semidecidual e Decidual. A Semidecidual, concentrada nos Estados do Maranhão e de Mato Grosso, no chamado arco do desmatamento, foi a mais afetada proporcionalmente entre os quatro tipos de vegetação primária: teve 27,2% de sua área original modificada pelo homem, o que a coloca na situação de mais ameaçada.

As florestas estacionais, que fazem a transição entre as ombrófilas e o Cerrado, são as formações com menor superfície: ocorrem em 5,4% da região. O IBGE destaca que “qualquer programa de proteção da diversidade de florestas da Amazônia deve dedicar especial atenção às florestas estacionais, especialmente quando estão em áreas de expansão da atividade agrossilvipastoril”.

Em termos absolutos, a devastação está concentrada na Ombrófila Densa: 60% das árvores eliminadas ocorriam lá. A maior perda foi registrada no Pará (1,2 bilhão de árvores), seguido por Maranhão (584 milhões), Mato Grosso (281 milhões) e Rondônia (214 milhões). Das 17,6 bilhões de árvores remanescentes em 2002, a maior concentração estava no Amazonas (7,4 bilhões), seguido por Pará (5,2 bilhões) e Mato Grosso (1,7 bilhão).

Cerca de 45% de toda a água subterrânea potável do País está concentrada na Amazônia Legal, indica o IBGE. As maiores áreas de aquíferos porosos estão no Amazonas, em Mato Grosso e no Pará. De todo o território da Amazônia Legal, 12% está sujeito a inundações, inclusive áreas urbanas como Parintins, aponta o capítulo sobre relevo. O IBGE cita os campos de petróleo e gás de Urucu, no Amazonas, ao destacar o potencial para exploração de combustíveis fósseis do subsolo da região, formado predominantemente por rochas sedimentares.

A Amazônia Legal ocupa 5.016.136,3 km2, que correspondem a 59% do território nacional. Nela vivem em torno de 24 milhões de pessoas, segundo o Censo 2010, distribuídas em 775 municípios, nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins (98% da área do estado), Maranhão (79%) e Goiás (0,8%). Além de conter 20% do bioma Cerrado, a região abriga todo o bioma Amazônia, o mais extenso dos biomas brasileiros, que corresponde a 1/3 das florestas tropicais úmidas do planeta, detém a mais elevada biodiversidade, o maior banco genético e 1/5 da disponibilidade mundial de água potável, informa o IBGE.

(Com Alessandra Saraiva, da Agência Estado)

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Matar árvores é assassinato

Voltando à ativa com o blog, um dia após a aprovação na Câmara Federal do novo Código Florestal e o assassinato do ambientalista Zé Cláudio Ribeiro. Ele que viveu na região de Marabá, no Pará, produzindo castanhas de maneira sustentável e resistindo ao boom da construção na Amazônia, apesar de ter recebido diversas ameaças de morte nunca se calou, e como Chico Mendes e Dorothy Stang acabou se tornando mais uma vítima na defesa das florestas.

Abaixo, excelente vídeo onde Zé Cláudio fala um pouco sobre a sua realidade. Assistam:

Comentem e divulguem!

Até breve.

1 comentário

Arquivado em notícia

IBGE: resta apenas 10% da cobertura original de Mata Atlântica

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4654160-EI306,00-IBGE+resta+apenas+da+cobertura+original+de+Mata+Atlantica.html

01 de setembro de 2010 • 10h38 • atualizado às 11h30

Redação Terra

A pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável 2010 (IDS-2010) mostra que, até 2008, restava apenas 10% da cobertura de Mata Atlântica original do Brasil. Entre 2005 e 2008, teriam sido derrubados 1.028 km² de vegetação, deixando em situação ainda mais grave um dos biomas mais ameaçados do mundo, que agora tem área remanescente de 133 mil km².

O IDS-2010 é um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciado em 2002, para monitorar se os princípios formulados na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio em 1992, estão sendo cumpridos.

Outro ecossistema devastado nos últimos anos foi o cerrado. O segundo maior bioma brasileiro, que abrange as savanas do centro do país, teve sua cobertura vegetal reduzida à metade, conforme o IBGE. Até 2008, a cobertura original de 2.038.953 km² caiu para 1.052.708 km². Entre 2002 e 2008, os Estados que apresentaram maior área desmatada foram Mato Grosso (17.598 km²), Maranhão (14.825 km²) e Tocantins (12.198 km²).

Entre 2002 e o último registo do IDS, foram 85 mil km2 (4,2% do total) destruídos, segundo dados do Centro de Sensoriamento Remoto do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (CSR/Ibama) em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente. O percentual de área desmatada neste bioma é maior que o verificado na Floresta Amazônica.

Amazônia tem redução no desmatamento
Após um período de crescimento quase contínuo da taxa anual de desflorestamento na Amazônia Legal (Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Maranhão e Mato Grosso), entre 1997 (13.227 km² ao ano) e 2004 (27.423 km²), o valor tem se reduzido nos últimos cinco anos, de acordo com dados do Inpe.

Estimativas preliminares do IBGE indicam uma área desflorestada de 7 mil km² em 2009, 74% menor que a destruição em 2004. A área total depredada da Amazônia, que até 1991 era de 8,4% (426.400 km²), chegou a 14,6% (739.928 km²) no ano passado.
__________________________________________________________
Até a próxima!
Continuem acessando e divulgando esse espaço.

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

Desmatamento e degradação florestal custam até US$ 4,5 tri ao ano, diz ONU

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100511/not_imp549948,0.php

11 de maio de 2010 | 0h 00

Ambiente. Relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente alerta para os impactos econômicos da perda da biodiversidade no mundo. Estudo revela que 42% das espécies de anfíbios e 40% das de aves estão com a população em declínio

Afra Balazina – O Estado de S.Paulo

Um novo relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) alerta para os impactos econômicos da perda da biodiversidade no mundo. Em âmbito global, os desmatamentos e a degradação florestal geram um custo anual entre US$ 2 trilhões e US$ 4,5 trilhões (R$ 3,6 trilhões e R$ 8,2 trilhões) – para se ter uma ideia, o valor é maior do que os prejuízos provocados pela recente crise financeira mundial.

Chamado de Terceiro Panorama Global de Biodiversidade, o estudo do Pnuma demonstra também que espécies invasoras (que podem competir com espécies nativas e danificar plantações) podem custar para a economia global US$ 1,4 trilhão (R$ 2,5 trilhões) ou mais. Somente na África subsaariana, os invasores são responsáveis por perdas anuais que somam US$ 7 bilhões (R$ 12,8 bilhões).

“Muitas economias continuam cegas para o enorme valor e papel da diversidade de animais, plantas e outras formas de vida num ecossistema saudável e funcional de florestas e água para solos, oceanos e a atmosfera”, diz Achim Steiner, diretor executivo do Pnuma.

Alguns países começam devagar a perceber a importância econômica da biodiversidade. Porém, segundo as Nações Unidas, as iniciativas precisam ganhar escala mais rapidamente.

A plantação e proteção de cerca de 12 mil hectares de mangues no Vietnã teve um custo de aproximadamente US$ 1 milhão (R$ 1.8 milhão), mas economiza gastos anuais em manutenção de diques de mais de US$ 7 milhões (R$ 12,8 milhões).

Já a China permitiu por mais de 40 anos a destruição de florestas para obter madeira para construção civil e a fabricação de móveis. Porém, o país começou a enfrentar um grave problema de desertificação, viu o Rio Amarelo praticamente morrer e passou a sofrer com enchentes devastadoras – em 1998, uma delas causou danos de bilhões de dólares.

O país decidiu, então, banir o desmatamento em 17 províncias. “Os chineses perceberam que estavam prejudicando a si mesmos, principalmente porque o produto era, em grande parte, exportado para países como Estados Unidos, Japão e Coreia”, diz Pavan Sukhdev, do Pnuma. Segundo ele, o custo real da madeira seria 129% maior do que o comercializado se os danos ambientais fossem considerados.

Em sua opinião, as empresas têm papel fundamental para evitar a perda da biodiversidade hoje. Segundo Sukhdev, há oportunidades nessa área de negócios sustentáveis: a venda mundial de alimentos orgânicos, por exemplo, teve um aumento de 203% entre 1999 e 2007 e inclui empresas como Carrefour e WalMart. Ele prepara um relatório para apresentar a executivos de médias e grandes empresas.

Extinção. O relatório indica que 42% das espécies de anfíbios e 40% das de aves estão com sua população em declínio. Afirma ainda que a população de espécies de vertebrados caiu, em média, 31% globalmente entre 1970 e 2006.

Uma queda severa ocorreu nos trópicos (59%), enquanto houve um aumento da população das espécies de locais temperados, onde quase não ocorrem mais desmatamentos para fazer pastagens e plantações.

O estudo aponta cinco principais pressões para a biodiversidade atualmente: a perda e a degradação dos hábitats (que são convertidos em plantações e, mais recentemente, para produzir biocombustível), as mudanças climáticas, a poluição, o uso insustentável (superexploração) e, por fim, as espécies invasoras.

Em uma amostra de 57 países foram achadas mais de 542 espécies invasoras com algum impacto para a biodiversidade – média de 50 por país. O número provavelmente está subestimado, já que há muitos impactos que não foram examinados e muitos países têm falta de dados.

Extinção marinha
85% dos recifes de ostras foram extintos no mundo
37% dos estuários não têm mais esse tipo de recife
14% dos estoques de peixes avaliados entraram em colapso em 2007
_________________________________________________________

Por hoje é só!
Até breve.

Deixe um comentário

Arquivado em notícia