Arquivo do mês: setembro 2010

Cidades já consomem 70% dos recursos naturais do planeta

http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2010/09/10/60173-cidades-ja-consomem-70-dos-recursos-naturais-do-planeta.html

Dados da Organização das Nações Unidas constatam que mais da metade da população mundial está nas cidades e já é responsável pelo consumo de 70% de todos os recursos que o homem retira da natureza. Até 2050, com a estimativa de que a população do planeta supere 9,2 bilhões, a Terra terá 6 bilhões de habitantes, quase 90% da população atual, vivendo no espaço urbano. Diante desses números, governos estaduais, prefeituras e comunidades precisam reconhecer o valor do capital natural (água, solo, biodiversidade). Os formuladores de políticas públicas têm razões de sobra para tentar encontrar, o mais rápido possível, soluções de combate à degradação dos ecossistemas e minimização da perda da biodiversidade.

O alerta está no relatório “A Economia dos Ecossistemas e da Biodiversidade para Políticas Locais e Regionais (TEEB, sigla em inglês)”, lançado simultaneamente no Brasil, em workshop realizado nesta quinta-feira (9) em Curitiba (PR), na Bélgica, Índia, Japão e na África do Sul. Nele, 140 especialistas das áreas de ciência, economia e política de mais de 40 países concluíram que os serviços ambientais podem impulsionar as economias locais, gerar milhões de novos empregos e melhorar a qualidade de vida nas cidades.

Segundo o diretor do Departamento de Biodiversidade do MMA, Bráulio Dias, que representou a ministra Izabella Teixeira no encontro, o relatório “é importante para que os gestores públicos reconheçam o valor econômico da biodiversidade”. Para ele, o documento pode ajudar na solução do impasse entre preservação ambiental e desenvolvimento econômico. “Mostra (o TEEB) que os serviços ambientais têm o papel de reduzir os impactos ecológicos do desenvolvimento”.

O documento reconhece e recorre a dados e exemplos para demonstrar que ecologia e economia não só podem, como devem, caminhar juntas nas políticas públicas. O relatório levanta, principalmente, a questão de valoração e impacto do uso e preservação dos recursos naturais. Os atuais níveis da pegada ecológica e social, nome que os especialistas dão aos recursos naturais necessários para que cada ser humano viva, devem ser incluídos nas contas de planejamento das economias locais. Bráulio cita como exemplos recentes enchentes e desmoronamentos no Brasil com prejuízos econômicos elevados, e bem superiores ao que seria gasto com medidas de preservação do meio ambiente.

O relatório chama a atenção em três aspectos para as quais as políticas públicas precisam estar voltada: a distribuição dos benefícios da natureza, o uso do conhecimento científico disponível e o engajamento dos gestores e das comunidades envolvidas nas ações de preservação. O relatório estuda, ainda, áreas protegidas e o aumento dos benefícios locais da conservação, e dá orientações sobre os incentivos de recompensa da boa administração de capital natural local, tais como sistemas de pagamento localmente adaptados por serviços ambientais, certificação e rotulagem.

Esse é o primeiro de uma série de cinco relatórios, que serão levados à Convenção da Biodiversidade (COP-10) em Nagoya, no Japão. Ele contribui também para o Atlas Ambiental online da Agência Europeia de Meio Ambiente, com estudos de vários esforços que já vêm sendo feitos para associar ecossistemas e a biodiversidade nas iniciativas de políticas locais. Segundo Achim Steiner, diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, um dos organismos que realizam o workshop, alguns governos locais já acordaram para o problema da preservação ambiental e têm adotado as medidas necessárias, com ganhos para suas economias locais. “Mas muitos ainda precisam aderir”, acredita. (Fonte: Paulenir Constâncio/ MMA)
___________________________________________________________
Continuem acessando e divulgando.
Até breve.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em notícia

IBGE: resta apenas 10% da cobertura original de Mata Atlântica

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI4654160-EI306,00-IBGE+resta+apenas+da+cobertura+original+de+Mata+Atlantica.html

01 de setembro de 2010 • 10h38 • atualizado às 11h30

Redação Terra

A pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável 2010 (IDS-2010) mostra que, até 2008, restava apenas 10% da cobertura de Mata Atlântica original do Brasil. Entre 2005 e 2008, teriam sido derrubados 1.028 km² de vegetação, deixando em situação ainda mais grave um dos biomas mais ameaçados do mundo, que agora tem área remanescente de 133 mil km².

O IDS-2010 é um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), iniciado em 2002, para monitorar se os princípios formulados na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio em 1992, estão sendo cumpridos.

Outro ecossistema devastado nos últimos anos foi o cerrado. O segundo maior bioma brasileiro, que abrange as savanas do centro do país, teve sua cobertura vegetal reduzida à metade, conforme o IBGE. Até 2008, a cobertura original de 2.038.953 km² caiu para 1.052.708 km². Entre 2002 e 2008, os Estados que apresentaram maior área desmatada foram Mato Grosso (17.598 km²), Maranhão (14.825 km²) e Tocantins (12.198 km²).

Entre 2002 e o último registo do IDS, foram 85 mil km2 (4,2% do total) destruídos, segundo dados do Centro de Sensoriamento Remoto do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (CSR/Ibama) em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente. O percentual de área desmatada neste bioma é maior que o verificado na Floresta Amazônica.

Amazônia tem redução no desmatamento
Após um período de crescimento quase contínuo da taxa anual de desflorestamento na Amazônia Legal (Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará, Amapá, Tocantins, Maranhão e Mato Grosso), entre 1997 (13.227 km² ao ano) e 2004 (27.423 km²), o valor tem se reduzido nos últimos cinco anos, de acordo com dados do Inpe.

Estimativas preliminares do IBGE indicam uma área desflorestada de 7 mil km² em 2009, 74% menor que a destruição em 2004. A área total depredada da Amazônia, que até 1991 era de 8,4% (426.400 km²), chegou a 14,6% (739.928 km²) no ano passado.
__________________________________________________________
Até a próxima!
Continuem acessando e divulgando esse espaço.

Deixe um comentário

Arquivado em notícia